Você não é capaz de imaginar a trágica história que envolve a garotinha, o homem e a fotógrafa

774

A impressionante foto acima revela um momento de dor inimaginável para a fotógrafa que captou a imagem. A americana Ally Parker retrata o choro desesperado de seu pai, Sean Peterson, no leito de morte da neta, num hospital de Pensacola, no Estado americano da Flórida.

A imagem ganha tons mais dramáticos para Ally quando ficamos sabendo que a garotinha prestes a morrer, vítima de um câncer, Braylynn Lawhon, é sua filhinha de apenas cinco anos. E a devastação aumenta ainda mais quando descobrimos que o avô estar a chorar por ele e pela neta: Sean tem Esclerose Lateral Amiotrófica (ELA) e os médicos já lhe deram pouco tempo de vida.

Por causa da terrível doença, que afeta o sistema neuromotor, Sean não pode mais falar e andar. A dor pura que ele está sentindo pode ser vista pela expressão em seu rosto. Já sua neta, Braylynn, foi diagnosticada com um tumor cerebral em 6 de dezembro passado, mas tragicamente a menina piorou seu estado de saúde nos últimos dias.

O avô Sean com a neta Braylynn, quando ambos gozavam de saúde (Facebook)

Muito emocionada, Ally disse que agora acreditava que o mundo era um “lugar terrível”, pois estará se despedindo de sua filha e do seu pai no espaço de poucos meses, talvez semanas. Quando compartilhou a foto acima, em seu perfil no Facebook, escreveu: “Estes dois são as pessoas mais fortes que já conheci. Todos nós pensamos que eles iriam viver juntos por muito tempo”.

“O ano passado foi muito difícil para nós, mas nem posso imaginar o quão difícil será este ano para nossa família. Em alguns dias, terei que enterrar essa linda garotinha. Meses, talvez até semanas mais tarde, vou ter que enterrar meu pai. Ambos meus heróis, partindo no mesmo ano. Como isso pôde acontecer conosco? O que fizemos para merecer tudo isso? Por que eles têm que nos deixar? O que devemos fazer? Eu me recuso a acreditar que há uma razão para isso. Este mundo é um lugar terrível”, escreveu Ally numa das postagens no Facebook.

Ela contou que há pouco mais de um mês, Braylynn estava entusiasmadamente preparando-se para as férias como a maioria das crianças de sua idade. Mas tragicamente, apenas alguns dias antes do dia de Natal, ela foi diagnosticada com uma forma mais agressiva de câncer cerebral e que não possui cura, nenhuma taxa de sobrevivência.

A mãe, Ally, ao lado da filha em seu leito de morte (Facebook)

A família teve um vislumbre de esperança na semana passada, depois que eles conseguiram arrecadar dinheiro através do site de doações coletiva GoFundMe. A intenção seria bancar um tratamento experimental e considerado revolucionário no México. Como não é coberto pelo plano de saúde, cada procedimento custa aproximadamente 96 mil dólares e, devido à natureza agressiva deste câncer, várias rodadas seriam necessárias para obter sucesso.

LEIA MAIS:  BBB18: Após Ana Clara dizer que Breno é 'muito gostoso', Ayrton reage furiosamente, Confira!

Todavia, antes que Ally pudesse levar Braylynn para o tratamento, ela rapidamente piorou e os médicos descobriram um sangramento vindo de seu tumor.

Em uma publicação nesta segunda-feira (8), Ally escreveu: “Braylynn ainda está aqui. O pulso ainda é forte. Seus sinais vitais ainda são normais. Nós a deixamos respirando por aparelhos até que todos os arranjos funerários sejam feitos. Pode demorar alguns dias, porque tudo ficará perfeito para o seu grande dia. Até então, ela ainda está conosco, ainda lutando, ainda forte”.

Braylynn antes de ser diagnosticada com o câncer (Facebook)

“Isso nunca deveria acontecer a alguém. Não há ninguém neste mundo que seja mau o suficiente para merecer sentir o que estou sentindo atualmente. Minha bebé merecia viver uma vida plena e feliz, assim como todas as outras crianças que tiveram que enfrentar esse tipo de câncer”, lamentou a mãe.

“Nós temos que acabar com isso. As crianças não podem ter essa doença e acabar morrendo por isso. Nós temos que encontrar uma cura, não um maldito auxílio médico. Essas crianças merecem muito mais do que isso, alguém precisa descobrir essa cura”, concluiu.